discur(s.o.s)implys

23 05 2009

 Digitalizar0005    O processo

Salvo a necessidade artística, temos como próprio meio interventivo aquilo que caminha. Ou seja, não nos interessa a obra pronta, mas o caminhar que a constitui.

A cada passo dado, estamos em um outro lugar. Logo, a obra em si, seria a representação morta do que jazz naquela idéia.

O processo como obra, e a obra como memória.

A memória revê, enquanto o imaginário transVê_ Manuel de Barros; Janela da alma.

Sugerimos o processo como capacitador do imaginário.

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: